Editorial

Editorial Número 1
  • 1.Editorial

 

É como muita alegria que lançamos a Revista Brasileira de Educação Básica – RBEB. Um projeto acalentado há vários anos que, finalmente, vem à luz. A RBEB visa divulgar experiências, pesquisas, opiniões e debates que contribuam para a elevação da qualidade da escola básica no Brasil. Queremos também ser um veículo de reconhecimento e de fortalecimento da autoria dos profissionais que atuam no cotidiano da escola. Queremos, portanto, ultrapassar a ideia de que esses profissionais sejam meros leitores dos conhecimentos divulgados pelos pesquisadores e especialistas da educação. Aspiramos, pois, a formar sujeitos e a transformar ideias em ações.

Entendemos que urge reconhecer a importância do trabalho realizado na Educação Básica, sobretudo na escola pública, por esse contingente gigantesco de mulheres e homens que atuam na educação de nossas crianças e jovens. Certamente, defendemos que tal reconhecimento dever ser realizado por meio da organização de carreiras e condições de trabalho dignas e pelo pagamento de salários que façam jus à importância e à intensidade do trabalho realizado. Mas também precisamos reconhecer o trabalho autoral, individual e coletivo que se realiza no interior da escola, seja em cada aula materializada, seja no conjunto das ações que fazem a escola funcionar diariamente.

Sabemos, porém, que a escola não funciona descolada do mundo que a envolve e que, em boa medida, estabelece as condições de seu funcionamento. Por isso, a RBEB pretende também ser um veículo de discussão das condições em que se realiza a Educação Básica e a formação de professores no Brasil, trazendo discussões que foquem as políticas educacionais e os vínculos da educação escolar, outras instituições educativas e com as demais políticas que afetam, direta ou indiretamente, as famílias, os alunos e os profissionais da educação e, portanto, o funcionamento da escola.

Atuando há vários anos na divulgação das pesquisas sobre a educação e de experiências realizadas por professoras e professores da escola básica brasileira, o Projeto Pensar a Educação– Pensar o Brasil – 1822/2022– sentiu a necessidade de publicar uma revista que fortalecesse o diálogo entre as várias instituições e sujeitos que diariamente assumem a responsabilidade pela educação de milhões de crianças e jovens brasileiros.

A RBEB representa também a aposta de um grande grupo de pessoas e de instituições no diálogo entre profissionais que atuam nos diferentes níveis de ensino,   da educação infantil à pós-graduação.  É por isso que todo o trabalho de editoração da Revista é feito em conjunto entre pessoas que atuam em escolas básicas e em instituições de pesquisa espalhadas por todo o Brasil. É essa rede de colaboração e de intercâmbio que dará também sustentação ao projeto editorial que ora se inicia.

Para esse primeiro número, felizmente, tivemos muitas colaborações. Por questões temáticas, de tempo e de espaço, não foi possível preparar todos os textos que nos foram submetidos. No entanto, nosso investimento e compromisso é para que todos os textos recebidos pelos nossos editores sejam publicados no momento oportuno, a partir de uma construção dialógica entre editores e autores.

Assim, nosso primeiro número é aberto pelo artigo do professor Sandro Santos: “Uma pedagogia de gênero latente na educação das crianças pequenas”, que aborda uma discussão sobre os diferentes modos de brincar atribuídos a meninos e meninas na educação infantil. Não podíamos deixar de lado as atuais discussões sobre questões de gênero nos espaços escolares.

Paulo Oliveira e Nercione da Silva assinam o segundo, intitulado: “Contribuições da formação continuada para a inclusão digital de professores do ensino básico”, que relata a experiência bem-sucedida de formação continuada para professores, desenvolvida por um aluno da licenciatura em Matemática, durante seu estágio supervisionado, no Município de Ipueiras, na região centro-oeste do estado de Tocantins.

Com o objetivo de desenvolver os conteúdos de química e as habilidades de leitura e escrita, o terceiro artigo “Escrita em aulas de química no ensino fundamental II: a construção de diários de cientistas”, do professor Wallace Cabral, traz um relato sobre as possíveis influências de uma atividade de escrita criativa desenvolvida com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental.

O quarto artigo em coautoria de Tarcísio Resende e Igor de Souza, profissionais da Educação Básica do estado do Mato Grosso, “O combate do ensino ciclado contra os índices de evasão e reprovação em Mato Grosso”, traz uma discussão das contribuições da Escola Ciclada para a diminuição nos índices de fracasso escolar no referido estado.

Utilizando a proposta de “Árvores de conhecimentos”, de Pierre Levy, e suas aproximações com a Pedagogia Histórico-social e a abordagem de histórias de vida, de Gaston Pineau, Renato dos Reis e Márcia de Sales assinam o quinto artigo “As diferentes perspectivas na formação dos adultos: da repetição a autoformação”, que apresenta uma discussão sobre a forma de se desenvolver a formação de adultos no cenário atual.

No sexto, “Plebiscito em Monte Feliz: uma sequência didática abordando a escassez e o uso racional da água”, Claudia Sabino e Fernando Amaral trazem à baila a discussão socioambiental em forma de uma sequência didática sobre a temática da crise hídrica que o estado de Minas Gerais vem sofrendo nos últimos tempos.

No sétimo, “Uma aula de pernas para o ar! Reflexões sobre ensinar e aprender capoeira nas aulas de educação física”, o professor Admir Soares nos apresenta uma reflexão sobre uma narrativa autobiográfica relacionada ao ensino e aprendizagem de capoeira nas aulas de educação física em uma escola municipal de Belo Horizonte (MG).

No oitavo, as autoras Giovanna de Moura, Tannissa de Araújo e Jaqueline Cavalcanti abordam o tema da violência no âmbito escolar, por meio de relatos de profissionais da equipe técnica pedagógica do município de João Pessoa (PB). A pesquisa, intitulada “Representações sociais acerca da violência por profissionais da equipe técnica pedagógica do município de João Pessoa”, tomou corpo durante um curso de Formação Continuada da Equipe Técnica das Escolas Municipais de João Pessoa.

Melina Mendes, Márcia Duarte e Larissa Guadagnini assinam o estudo de caso que figura como o nono texto desta seleção: “Adaptações curriculares de atividades para criança com deficiência intelectual segundo relato de professoras da educação infantil”, que traz ponderações importantes sobre a permanência e a garantia da escolarização de alunos deficientes na educação infantil.

Para fechar a nossa primeira edição, o artigo “Valorização docente: Histórico legal e desafios vindouros”, de Fernando Henrique dos Santos e Fernanda Silva, discute as bases legais que garantem a valorização dos professores.

Este primeiro número, composto de dez artigos de temas relevantes para a Educação Básica, não implica, todavia, que a Revista esteja pronta e acabada! Não! Entendemos, sim, que o projeto editorial que se inicia com esta seleção deva assumir uma dinâmica de construção permanente, coletiva, de experimentação contínua. Por isso, por mais que algumas de suas dimensões sejam estáveis, os editores estarão sempre abertos a receber “feedback” para, dialogicamente, implementar mudanças que possam contribuir com a qualidade e com a competência da nossa produção.

Sabemos que criar a RBEB foi o menor de nossos desafios. Mantê-la funcionando com a regularidade que o debate sobre a educação demanda exigirá um esforço muito maior. Portanto, esperamos contar com a colaboração de todos os nossos parceiros e, de maneira especial, dos leitores e autores que atuam na escola básica brasileira. Sem o concurso desses colegas, a RBEB certamente não alcançaria o primeiro número, nem vislumbraria muitos outros para alimentar nossa ânsia por uma educação plena em todos os sentidos.

A RBEB conta, assim, com a colaboração e o investimento dos seus parceiros para torná-la, cada vez mais, um veículo que tenha acara dos profissionais da educação de todo o Brasil e que reflita sobre os seus anseios, suas dúvidas, suas aspirações, suas produções.

Que todos tenham uma experiência tanto inspiradora quanto motivadora ao lerem os artigos aqui reunidos.

Abraços e até o número dois!

This Post Has 8 Comments
  1. Que alegria senti ao receber o link da Revista Brasileira da Educação Básica. Sabendo do quão importante é este projeto pra vocês e para todos nós que atuamos no segmento da educação, quero aqui deixar o meu caloroso abraço de agradecimento a você Luíza e ao incansável professor Luciano por esse presente. Abraço esse que também estendo a todos do “Pensar a Educação Pensar o Brasil”. Estou como criança que acaba de ganhar um delicioso picolé de uva!

  2. Parabéns, Gabriela e Luciano!
    Uma ótima iniciativa a revista ser voltada para o ensino básico.
    Vida longa ao projeto.
    Abraços,
    Verônica (UFOP)

  3. Luciano, Luiza e à toda a equipe da RBEB,

    Parabéns pelo excelente trabalho, tanto no que concerne à ousadia da revista (que se pretende como espaço dos/as professores/as para os/as professores/as) quanto no que diz respeito à qualidade editorial (de seleção dos textos e de uma diagramação extremamente agradável).
    Penso que a educação ganha, cada vez mais, com a emergência de projetos como este!

    Sucessos sempre!!!

    Sandro Santos

    1. Olá Sandro!
      Ousadia é a chave para o sucesso do nosso trabalho!
      Mas sem apoio e contribuições como as suas esse sucesso seria inalcançável!
      Obrigada pelo carinho e pela dedicação!
      Abraços e sucesso para todos nós!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *