Capa

Nova Edição da RBEB está no ar, confira:

A RBEB apresenta neste segundo trimestre de 2018 seu oitavo número. Para esta edição contamos com a colaboração de vinte e dois autores que produziram dez artigos. Destes artigos, temas como diversidade, inclusão, BNCC, aprendizagem e prática de ensino foram abordados.  Os artigos aqui publicados são uma amostra dos questionamentos que professores da Educação Básica e do ensino Superior, alunos de pós-graduação e dos cursos de pedagogia e licenciatura no país encontram na escola e na universidade. Para tanto, essas experiências e reflexões são apresentadas e debatidas em diálogo com a bibliografia pertinente e com os pares.

É o que fez Wesley de Matos e Benedito Eugenio ao questionar o papel de um livro didático numa escola quilombola a partir da noção de diversidade cultural. Renan dos Santos e Larissa Rocha, questionaram como a formulação de políticas curriculares aliadas à reflexão de práticas de ensino fomentam a criticidade no ensino de artes. Marcia Mendes, Phabricia Teotônio e Giovanna de Moura investigaram a experiência de professores na avaliação de alunos com deficiência intelectual. Alex Tomazini apresentou uma reflexão sobre a discalculia e seu diagnóstico dentro do ensino da matemática. Fernanda Alves e Luciano Gomes discutiram sobre as percepções de licenciandos de Química sobre as dificuldades enfrentadas para a inclusão de alunos com deficiência visual. Erica Queiroz e Samira Zaidan apresentaram a proposta do uso de novos instrumentos no ensino da Geometria Analítica. Sabrina Silva, Charles Mourão, Francisco de Souza Paula, Germana Paixão e Jones Menezes apresentaram as principais estratégias que foram utilizadas no ensino de Biologia na cidade de Aratuba no Ceará. Felipe Oliveira defendeu a entrada e ampliação do tratamento da informação no currículo da matemática para o Ensino Básico, demonstrando a sua aplicação. Louise Gabardo e Nelly de Souza elaboraram uma avaliação de como professores conheciam e manuseavam os recursos e equipamentos de Tecnologias Assistivas voltados para a Deficiência Física/Neuromotora. José Erildo e Wagner Auarek apresentaram uma experiência no ensino da matemática na EJA em que o contexto de vida dos alunos estava ligado a metodologia da Resolução de Problemas.

Além da contribuição de nossos autores, contamos com a participação das professoras Claudia Ricci (CP/UFMG) e Isabel Frade (FaE/UFMG) em entrevista sobre a Base Nacional Comum Curricular. Nessa entrevista discutimos a constituição da base e o envolvimento dos professores e professoras, além da autonomia escolar.

Portanto, convidamos você, que faz parte do cotidiano educacional e que enfrenta todos os dias essas questões de dentro da escola, a compartilhar suas experiências em nossa revista.

This Post Has 2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *