Water Service 375998 1920

Sequencia didática para as séries iniciais: água no ambiente

Ago-out-2017

Alessandra Dias Costa e Silva

Atua há 18 anos na Educação Básica nas cidades de Patos de Minas e Paracatu em Minas Gerais. Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU); Especialista em Ensino de Ciências por Investigação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Especialista em Biologia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA); Licenciada em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM).

Adevailton Bernardo dos Santos

Docente na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) no curso de Licenciatura em Física. Pertence ao quadro permanente do curso de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática. Graduado em Física- licenciatura pela UFU, mestre e doutor em Física aplicada a Medicina e Biologia pela Universidade de São Paulo (USP). Estágio pós-doutoral na Faculdade de Educação da UFMG.

 

Sequência didática para as séries iniciais: água no ambiente

Secuencia didáctica para los años iniciales: el agua en el ambiente

 

Alessandra Dias Costa e Silva
Mestre em Ensino de Ciências e Matemática
Mestrado Profissional – Universidade Federal de Uberlândia
alessadiascosta@gmail.com
 
Adevailton Bernardo dos Santos
Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática
Mestrado Profissional ‒ Universidade Federal de Uberlândia
adevailton@ufu.br
 
Resumo: O ensino e a aprendizagem das Ciências da Natureza nas séries iniciais do Ensino Fundamental são importantes, pois fornecem instrumentos que possibilitam que as crianças compreendam o mundo e a sociedade em que vivemos. No entanto, pesquisas identificam dificuldades dos professores em atividades desse componente curricular em função de serem generalistas, e também com relação à formação inicial. Este trabalho tem como objetivo verificar a contribuição de uma sequência didática disponível em um blog para o trabalho dos professores das séries iniciais. O trabalho possui duas partes interligadas: a elaboração e divulgação da sequência didática com o tema “Água no ambiente”, e uma pesquisa realizada com professores que a acessaram e emitiram comentários sobre seu uso e sua pertinência. Como dito, a sequência didática foi disponibilizada em um blog e os dados da pesquisa foram coletados por meio de um questionário virtual acessível no mesmo blog. Os resultados apontam a importância de provisionar subsídios para auxiliar o trabalho dos professores das séries iniciais, e de buscar estratégias metodológicas inovadoras, como o enfoque em: ciências, tecnologia e sociedade (CTS); interdisciplinaridade; ensino por investigação; uso de tecnologias da informação e comunicação (TIC).
 
Palavras-chave: Formação de Professores. Sequência Didática. Água no Ambiente.
 
 
Resumen: La enseñanza y el aprendizaje de las Ciencias de la Naturaleza en los años iniciales de la enseñanza primaria son importantes, pues suministran instrumentos que posibilitan a los niños comprender el mundo y la sociedad en que vivimos. No obstante, las investigaciones identifican las dificultades de los profesores en las actividades de ese componente curricular por ser generalistas, y también con relación a la formación inicial. Este trabajo tiene el objetivo de comprobar el aporte de una secuencia didáctica disponible en un blog para el trabajo de los profesores de los años iniciales. El trabajo posee dos partes interrelacionadas: la elaboración y la promoción de la secuencia didáctica con el tema “El agua en el ambiente”, y una investigación realizada con profesores que la accedieron y emitieron comentarios de su uso y su pertinencia. Como se ha dicho, la secuencia didáctica está disponible en un blog y los datos de la investigación fueron recogidos por medio de un cuestionario virtual también accesible en el mismo blog. Los resultados indican la importancia de proveer subvenciones para apoyar el trabajo de los profesores de los años iniciales, y de buscar estrategias metodológicas novedosas, como el enfoque en: ciencias, tecnología y sociedad (CTS); la interdisciplinaridad; la enseñanza por investigación; el uso de tecnologías de la información y comunicación (TIC).
 
Palabras clave: Formación de Profesores. Secuencia Didáctica. El Agua en el Ambiente.

 

Introdução

O ensino e a aprendizagem das Ciências da Natureza nas séries iniciais do Ensino Fundamental são tão importantes quanto o domínio das operações matemáticas e das linguagens. Porém, em função dos grandes avanços tecnológicos e científicos vivenciados nos dias atuais, torna-se desafiador ensinar os conteúdos desse componente curricular, sobretudo para os professores das séries iniciais, que possuem papel relevante no processo de organização dos conhecimentos escolares. Eles não devem apenas reproduzir conhecimentos, mas sim produzi-los no momento em que os organizam para públicos específicos em suas salas de aula (MARANDINO, 2004).

Foto 1:

Em trabalho realizado abordando o ensino de Ciências nas séries iniciais, Silva (2010) identificou a grande dificuldade dos professores para desenvolver os conteúdos. Conforme a autora, tal questão está relacionada ao fato de a maior parte dos professores das séries iniciais ser generalista, ou seja, os professores precisam ter domínio sobre várias áreas e não somente no ensino de Ciências. Nesse sentido, observa-se a necessidade de materiais educacionais que auxiliem esses professores, tanto na preparação das aulas quanto em sua execução. Também é relevante ressaltar a importância do uso de estratégias diversificadas, principalmente as que envolvem tecnologias da informação e comunicação (TIC), ensino de Ciências por investigação, abordagens interdisciplinares e enfoque em ciência, tecnologia e sociedade (CTS), pois visam trazer uma nova perspectiva mais positiva e atual para o trabalho docente.

Este texto objetiva descrever o processo de construção de uma sequência didática (SD) sobre o tema “Água no ambiente” e, por meio de sua disponibilização em um blog, obter dados de sua contribuição para o trabalho dos professores das séries iniciais. A justificativa para a escolha do tema tem relação com a relevância desse recurso para a dinâmica do nosso planeta, por isso a importância de seu desenvolvimento desde o início do processo de aprendizagem.

Metodologia

Este trabalho possui duas partes interligadas: a elaboração e divulgação de uma SD sobre o tema “Água no ambiente”, e uma pesquisa realizada com professores que acessaram a SD disponibilizada em um blog. A escolha do blog se deu por acreditar que a Internet facilita o acesso, a divulgação, a análise da SD e a coleta de dados da entrevista.

A SD foi elaborada com base nos pressupostos teóricos da metodologia dos três momentos pedagógicos proposta por Delizoicov e Angotti (1994). Conforme os autores, a atividade educativa pode ser dividida em problematização inicial, organização do conhecimento e aplicação do conhecimento. Tal proposta se constitui em uma ferramenta inovadora no processo de ensino e aprendizagem, pois é uma possibilidade de se estabelecer na sala de aula uma dinâmica dialógica que contribui e favorece a construção do conhecimento.

Além disso, buscou-se também aporte teórico na teoria sociocultural de Vygotsky (1989). Tal abordagem tem como base o desenvolvimento do indivíduo como resultado de um processo sócio-histórico, ressaltando o papel da linguagem e da aprendizagem no desenvolvimento da criança. Essa perspectiva explica que um indivíduo se forma a partir de suas interações com o outro, para que ocorra o desenvolvimento da cognição. Nesse sentido, percebe-se a importância de utilizar dois pressupostos teóricos distintos que, segundo Morais e Santos (2016), direcionam o trabalho docente para uma eficiência em relação ao aproveitamento do tempo e às estratégias pedagógicas adotadas, permitindo interação e significação dos conteúdos.

O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário virtual estruturado, composto por vinte e duas questões fechadas e três abertas. A pesquisa foi descritiva, com abordagem mista (qualitativa e quantitativa) e o questionário foi respondido por 27 profissionais. É importante destacar que as atividades propostas foram utilizadas ao longo da carreira da autora como professora de Ciências e Biologia em escolas da rede pública e privada de ensino e, posteriormente, organizada em uma SD.

 

A sequência didática “Água no ambiente”

A SD “Água no ambiente” foi construída com a proposta de nove atividades para serem desenvolvidas ao longo de quatorze aulas de 50 minutos. No entanto, esse número poderá ser modificado dependendo do andamento das aulas. As turmas-alvo são as do terceiro ao quinto ano do Ensino Fundamental, o tema faz parte do componente curricular “Ciências da Natureza” e está relacionado com o eixo temático “Ambiente e vida”. A avaliação das atividades está baseada principalmente na análise das produções dos estudantes.

Todas as aulas seguem a metodologia dos três momentos pedagógicos: problematização inicial, organização do conhecimento e aplicação do conhecimento (DELIZOICOV, ANGOTTI; PERNAMBUCO, 2002). A SD é constituída de dois módulos, um voltado para os estudantes, com as abordagens e as atividades a serem realizadas, e outro direcionado para o professor com sugestões para trabalhos, inserções, implementações de atividades e avaliações.

A SD está disponível para downloads gratuitos no blog Sequências Didáticas de Ciências para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental. No mesmo endereço, também está acessível o questionário utilizado na pesquisa. Na organização da SD, foram utilizadas estratégias metodológicas diversificadas, que serão especificadas adiante.

 

Abordagem de ciências, tecnologia e sociedade

O enfoque em CTS se mostra como uma abordagem inovadora, apesar de não muito recente, e objetiva instigar os docentes a buscar estratégias que possibilitem aos estudantes compreender a importância do estudo, das pesquisas e da busca por novos conhecimentos sobre temas relevantes. De acordo com Santos (1992), é fundamental adotar temas que envolvam questões sociais relacionadas com Ciência e Tecnologia vinculadas à vida dos estudantes, bem como desenvolver atividades de ensino em que eles tenham capacidade de discutir e opinar. Na SD, a abordagem em CTS foi incorporada por meio do desenvolvimento do tema “Água no ambiente”, que está totalmente associado ao contexto de vida dos estudantes.

Interdisciplinaridade

Na SD, o tema “Água no ambiente” foi desenvolvido a partir do relacionamento das disciplinas de Ciências – Física, Química e Biologia – para explicar os conceitos que envolvem a água no ambiente. Em geografia, o estudo foi aprofundado com a análise da existência de vegetação próxima ao espaço escolar e sua relação com os recursos hídricos. Em história, há proposta de estudar o uso dos mananciais que abastecem a cidade ao longo do tempo. Há atividades de matemática, como a análise numérica dos dados obtidos em uma pesquisa a ser realizada durante uma aula de campo. Por fim, também há utilização dos conhecimentos sobre as linguagens e suas tecnologias na produção de textos e imagens sobre o tema. A SD privilegia a interdisciplinaridade em concordância com Fazenda (2008), pois esta forma de abordagem tem relação com a interação entre os estudantes, os docentes e a comunidade escolar envolvidos no processo de ensino e aprendizagem e não apenas na busca pela conexão entre os conteúdos das disciplinas.

 

Tecnologias da informação e comunicação (TIC)

Nos dias atuais, é impossível imaginar uma escola sem o uso dos recursos tecnológicos para envolver os estudantes na aprendizagem e na investigação dos conteúdos, sejam eles instrumentos modernos ou mesmo recursos mais simples, como uma televisão, principalmente no ensino das Ciências da Natureza, como destacado por Martinho e Pombo (2009). Na SD, as TIC aparecem no desenvolvimento de diversas atividades, como uso de objetos digitais de aprendizagem, produção de stop motion, uso de animação, música e produção de história em quadrinhos virtual.

 

Ensino de ciências por investigação

O ensino e a aprendizagem com caráter investigativo são estratégias que podem ser utilizadas para estimular a autonomia e a capacidade de solucionar problemas, visando possibilitar que o estudante seja capaz de resolver questões e se apropriar de novos conceitos científicos (LIMA; PAULA, 2009). Ao longo da SD, várias atividades com caráter investigativo são observadas, destacando-se a pesquisa sobre o manancial que abastece a cidade, a atividade prática e investigativa de construção do terrário e, ainda, a aula de campo, que visa investigar qual o número de residências, o bairro no qual a escola está inserida, se possui vegetação em suas dependências.

 

Resultados da pesquisa

O resultado das questões objetivas do questionário indicou que os professores que acessaram e avaliaram a SD, em sua maioria, possuem formação em pedagogia, têm idade acima de 30 anos, apresentam mais de 10 anos de profissão docente e trabalham com uma carga horária semanal acima de 20 horas/aula. Entre os professores que responderam o questionário, alguns lecionam em escolas públicas e outros em instituições privadas e, ainda, há alguns que trabalham concomitantemente em ambas, sendo que esse fato não contribuiu para a obtenção de opiniões diferentes.

Em relação às atividades profissionais, os dados obtidos apontam que os professores não possuem encontros de formação continuada de modo regular, procuram diferentes referenciais e recursos pedagógicos para a preparação das atividades e das aulas, sendo que a maioria indicou preferência para o uso de atividades investigativas.

Quanto ao objetivo do ensino das Ciências da Natureza, ocorreram várias indicações, com destaque para objetivos que visam a formação de pessoas críticas, curiosas, aptas para a vida em sociedade, com respeito ao corpo e ao ambiente. As principais dificuldades profissionais enfrentadas no ensino das Ciências da Natureza foram carga horária reduzida e ausência de formação específica na área. Em relação à avaliação da SD disponibilizada, a maioria dos professores indicou que a usaria em sua prática com algumas adaptações, além de indicarem que a abordagem CTS e a interdisciplinaridade são os pontos fortes e mais interessantes.

Esses resultados concordam com a motivação da proposta da SD desenvolvida, pois a falta de formação específica e um número reduzido de encontros de formação continuada contribuem para que os professores tenham dificuldade no ensino de Ciências, conforme a pesquisa de Silva (2010). Os dados obtidos também indicam uma clara concordância com as abordagens e com a forma das atividades propostas na SD, pois a maioria dos professores indicou que procura fazer uso de diferentes referenciais e recursos pedagógicos na prática docente, com grande predileção para o uso de atividades investigativas.

 O questionário possui três questões discursivas que buscam, a partir de depoimentos mais elaborados, investigar as contribuições da SD para o desenvolvimento do tema “Água no ambiente”, as sugestões que os professores poderiam dar para melhorar a SD e também se há outros temas que poderiam ser abordados em propostas similares. Para a análise dos resultados dessas questões, utilizou-se uma abordagem qualitativa baseada em Bardin (1977).

Nas respostas associadas com as contribuições da SD para auxiliar o trabalho dos professores, várias indicações positivas em relação ao uso de estratégias diversificadas foram notadas, principalmente evidenciando a importância e o acerto na utilização da abordagem em CTS (SANTOS; MORTIMER, 2000). Também por meio das respostas é possível identificar a importância da interdisciplinaridade, pois tal abordagem permite que o tema seja desenvolvido a partir de várias perspectivas, contemplando a relevância da pesquisa, da escrita, da leitura e da alfabetização científica (FAZENDA, 2008), como pode ser verificado na resposta a seguir.

 

Partindo de uma sequência tão bem elaborada, podemos diversificar as aulas de ciências, interdisciplinando-a com outros conteúdos, tornando a aprendizagem mais significativa e efetiva.
Sim, a sequência didática é uma proposta diferenciada de estudar de forma interdisciplinar um assunto tão importante para a sociedade.

 

Como pontos positivos presentes na SD, as respostas trazem vários elementos como: tema transversal vinculado ao cotidiano e desenvolvimento eficiente; fundamentação teórica consistente; sistematização adequada das atividades; atividades práticas investigativas; uso das TIC. De acordo com os respondentes, esses elementos tornam o material um importante subsídio para o desenvolvimento dos conteúdos de ciências nas séries iniciais?

 

A utilização de sequência didática favorece o trabalho do docente, uma vez que os passos a serem realizados são simples possibilitando ao aluno uma visão mais ampla do tema água.
Pode sim contribuir para desenvolvimento do tema água no ambiente escolar já que como pedagoga não tenho domínio na área da Ciência, e a sequência didática disponibilizada é de muita valia para a prática em sala de aula.

 

Os dados também apontam vantagens na proposta no que se refere ao estímulo ao trabalho em equipe, permitindo assim, maior interação entre os estudantes e também entre os mesmos e o professor nos momentos de investigação. Este fato está em consonância com os pressupostos dos três momentos pedagógicos (DELIZOICOV; ANGOTTI, 1994) e também com a teoria sociocultural de Vygotsky (1989), que foram os referenciais utilizados na elaboração da proposta.

 

A sequência é bem fundamentada, permitindo trabalhar o tema de maneira organizada, significativa e investigativa.
Sim, pois o planejamento está dinâmico e favorece a prática. Os alunos sentem-se motivados quando o conteúdo a ser explícito torna-se parte de sua realidade e contribui para a consciência ecológica, bem como para a cidadania.
[…] as estratégias utilizadas em toda a sequência permitem ao docente e estudantes um olhar mais amplo sobre o tema utilizando ferramentas diversas como objetos de aprendizagem.

 

Quanto às sugestões para outras SD, houve destaque para temas de cunho socioambiental e de Biologia. Esse resultado mostra duas vertentes: a primeira ressalta a importância que as abordagens socioambientais possuem atualmente e a visão que os professores possuem sobre a importância dessas abordagens para a formação do cidadão; por outro lado, a solicitação de temas envolvendo Biologia mostra que a maioria dos professores das séries iniciais focam as atividades do componente curricular das Ciências Naturais nessa área de conhecimento, como pouca abordagem de conteúdos de física e química.

 

Algumas considerações

O processo de construção da SD foi longo, porém motivador, pois possibilitou ricos momentos de pesquisa e novas possibilidades para desenvolver um tema de interesse da sociedade, a partir de perspectivas diferentes das demonstradas nos materiais didáticos disponibilizados na maioria das escolas. Além disso, a produção do trabalho permitiu compartilhar e adquirir novos saberes, sobretudo por meio dos dados levantados pelo questionário. Com o objetivo de tornar a SD um produto de qualidade para auxiliar o trabalho dos professores das séries iniciais, durante sua elaboração a fundamentação teórica e a sistematização foram criteriosamente observadas.

A pesquisa realizada por meio de um blog foi produtiva, pois atualmente a tecnologia faz parte do cotidiano da maioria dos profissionais e, assim, seu uso na educação deve ser estimulado. As respostas oriundas do questionário disponibilizado no blog trouxeram informações valiosas sobre a importância e a necessidade de disponibilizar materiais que visem contribuir com o trabalho dos professores das séries iniciais, além de identificar que eles concordam que o uso de estratégias diversificadas auxilia o ensino e a aprendizagem das Ciências da Natureza e vão de encontro com a proposta da SD disponibilizada.

É importante ressaltar que a pesquisa e análise dos dados não tiveram por objetivo investigar quais são as concepções dos respondentes acerca das estratégias metodológicas utilizadas (interdisciplinaridade, ensino por investigação, CTS e TIC) e, portanto, não é possível afirmar se o conhecimento deles sobre esses assuntos é amplo ou se simplesmente se pautaram no senso comum para responder ao questionário. Isso não inviabiliza a utilização da SD e nem desqualifica um professor que a utiliza. Com vistas a superar as possíveis dificuldades teóricas, a SD possui um módulo direcionado para o professor com sugestões e discussões para trabalhos, inserções, elaborações de atividades e avaliações, além de sugerir várias leituras e materiais de fácil acesso.

O trabalho não exigiu que os respondentes aplicassem a SD antes de responder ao questionário – e nem teve como fazer isso –, devido ao modo que a proposta foi implementada (on-line por meio de um blog), no entanto, pelo conteúdo das respostas, considerando as diversas sugestões e críticas pertinentes obtidas, acredita-se que os objetivos traçados foram atingidos.

A partir da análise foi possível verificar que a SD produzida pode possibilitar um olhar diferente para o ensino de Ciências, pois a partir da mediação dos professores, da utilização de atividades diversificadas e do estímulo à participação de toda a comunidade escolar, o processo de ensino e aprendizagem de Ciências nas séries iniciais pode se tornar mais próximo do cotidiano dos estudantes e da realidade social.

Este trabalho aponta para a necessidade de desenvolver materiais que busquem contribuir com os professores das séries iniciais no ensino e na aprendizagem das Ciências Naturais, principalmente devido à formação dos docentes nessa etapa de ensino não ser especifica da área e por haver várias deficiências nas atividades de formação continuada. Iniciativas como a construção e disponibilização de SD, incluindo formas digitais e on-line, a exemplo deste trabalho, são possíveis caminhos de contribuição com o trabalho docente desses professores. Também fica evidente que para que esses trabalhos estejam em sintonia com as demandas dos professores, eles devem fazer uso de estratégias metodológicas diversificadas e que visem principalmente a formação cidadã dos estudantes.

 

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de ciências. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

FAZENDA, I. C. A. (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

LIMA, M. E. C. C.; PAULA, H. F. (Org.). Ensino de ciências por investigação ‒ Enci. Belo Horizonte: UFMG, 2009. v. 1. (Coleção Enci).

MARANDINO, M. Transposição ou recontextualização? Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 26, p. 95-108, maio/ago. 2004. Disponível em: <http://bit.ly/2h3O2qR>. Acesso em: 26 jul. 2017.

Martinho, T.; Pombo, L. Potencialidades das TIC no ensino das ciências naturais: um estudo de caso. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, Pontevedra, v. 8, n. 2, 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2tEn7DK>. Acesso em: 26 jul. 2017.

Morais, V. C. S.; Santos, A. B. Implicações do uso de atividades experimentais no ensino de biologia na escola pública. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 166-181, abr. 2016. Disponível em: <http://bit.ly/2vJNrxQ>. Acesso em: 26 jul. 2017.

SANTOS. W. L. P. O ensino de química para formar o cidadão: principais características e condições para a sua implantação na escola secundária brasileira. 1992. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‒ Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992. Disponível em: <http://bit.ly/2uy5sR3>. Acesso em: 26 jul. 2017.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 110-132, jul./dez. 2000. Disponível em: <http://bit.ly/2vKnOgC>. Acesso em: 26 jul. 2017.

SILVA. A. D. C. As estratégias de ensino utilizadas por uma professora das séries iniciais do ensino fundamental para explicar o ciclo da água no ambiente. 2010. 41 f. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências por Investigação) ‒ Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Cláudia Fonseca

Editora-executiva da Revista Brasileira de Educação Básica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *