RBEB N.6

Editorial RBEB – Ano 2/No. 6/Nov.Dez/2017

Nov-dez-jan 2017/18

 

Em busca de uma educação básica inclusiva

 

Um dos ganhos mais expressivos no campo educacional trazidos pela Constituição de 1988 é o pressuposto de que a escola é uma instituição para todos. Uma escola inclusiva é aquela na qual necessidades e aptidões dos sujeitos são contempladas, de modo que as diversidades que nos constituem sejam reconhecidas, promovidas e valorizadas. A história da Educação e das práticas pedagógicas nos ensina que essa concepção decorre de longa trajetória, atravessada por inúmeros desafios e percorrida pelos alunos, pais, professores, gestores e legisladores. Ainda hoje tende-se a acreditar que a inclusão é uma excepcionalidade, um “favor” ou um abrandamento das expectativas ou exigências escolares. Poucos reconhecem a escola como instituição republicana, no interior da qual os diferentes possam conviver e agir na busca de maior igualdade.

No final de um ano dos mais complicados para a educação brasileira, a Revista Brasileira de Educação Básica chega à sua 6ª. edição, apresentando aos leitores um vídeo sobre inclusão na escola, apresentando depoimentos de docentes da rede de educação básica em Contagem/MG.  A seção entrevista, com o professor Vinícius Catão, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), aborda o diálogo entre escola pública e universidade, também na perspectiva inclusiva. O docente, que já desenvolveu um projeto de extensão para capacitar docentes ao ensino de Química para surdos nas escolas públicas de Viçosa/MG, atualmente coordena a Unidade Interdisciplinar de Políticas Inclusivas (UPI-UFV).

Neste número, a temática é igualmente desenvolvida nos artigos Territorialidades dos alunos migrantes na escola, de autoria da professora Liliane Tosta Costa; e Diversidade Sexual, gênero e inclusão escolar, da professora Beatriz Rodrigues. A revista apresenta, ainda, o artigo A implantação das orientações curriculares na rede municipal de São Paulo: entre seus limites e possibilidades, escrito pela professora Isabela Bilecki Cunha.

Alguns relatos de experiência de professores de diferentes regiões brasileiras também foram contemplados: Experimentar para demonstrar: o caso do Teorema de Tales, de Denise de Assis Paiva, Keityelle dos Santos Carvalho e Viviane Almada; Avaliação das tecnologias na docência sergipana, de Caio Alcântara e Ronaldo Linhares; Ferramenta de tecnologia da informação como instrumento de alfabetização, de Eliana Sheila da Silva, Edna Silva, Rita de Cássia Stano e Ramiro Camacho; Ensino coletivo de flauta doce na educação básica, de Thelma Taets, Gunnar Taets e Maria Judith Sucupira da Costa Lins; O que é a natureza? de Caroindes Gomes e Renan Bertolin; O Saef como instrumento de avaliação educacional, de Afonso Filho Lopes, Lídia Vieira e Jeannette Ramos e, finalmente, PIBID: a educação financeira no cotidiano escolar, de Daniela Ferreira Barbosa e Margarete Siqueira. Já a indicação de leitura ficou por conta da professora Priscilla Verona.

Com o lançamento de mais este número da RBEB o projeto Pensar a Educação Pensar o Brasil – 1822/2022 e seus parceiros esperam estar contribuindo para a ampliação de uma das facetas mais importantes da valorização do trabalho docente desenvolvido na escola básica: o reconhecimento de sua autoria e contribuição à produção do conhecimento em educação!

Desejamos a todos e a todas, uma ótima leitura! Estaremos juntos em 2018!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *