Editorial

Abr-Jun-2019

Vol. 4 | Número 13 | Abril – Junho 2019

A nova edição da RBEB encerra, após um ano, a série O pão nosso de cada dia com o episódio Narrativas de um caminho. Ao longo dos últimos 12 meses, Thiago Rosado dirigiu quatro episódios sobre o cotidiano de quatro professores em diferentes momentos da carreira docente. Neste quarto e último episódio a professora Vanderleia Reis de Assis nos traz, através da oralidade mas também dos olhares, dos gestos, reflexões e sentimentos, alguns de seus saberes e memórias de 30 anos de trabalho docente em escolas públicas de Betim, Contagem e Belo Horizonte.

Ao longo dos quatro episódios que compõem a série apresentamos as narrativas de vários caminhos… Da Isabella, da Angélica, do Helder, da Vanderleia e de tantas professoras e professores que percorrem os corredores das escolas, as salas de professores, as secretarias, cantinas e pátios. Estão, também, em tantos outros espaços além dos muros e grades, estão em nós, nos olhares, nos afetos, no cansaço, nas lutas, no ensinar e aprender.

Além do encerramento da série, a edição apresenta dez artigos enviados por professores estudantes de licenciatura e de pós-graduação profissional e acadêmica. Dentre essas experiências, a professora de artes Tamires Veloso da Escola Municipal Padre David Ângelo Leal, em Jaicós (PI), apresenta os resultados da observação participante realizada no espaço de uma sala de aula do segundo ano do Ensino Fundamental. Tamires Veloso discute as concepções didáticas na contemporaneidade para um ensino e aprendizagem de artes significativos no artigo “Artes viva”: ensino e aprendizagem significativos, onde defende a didática como elemento importante no ensino de arte ativo e contextualizado.

Experimentação na abordagem da cinética Química e Catálise é o artigo elaborado por Ticiane da Rosa Osório e Vitor Garcia Stoll, estudantes do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Universidade Federal do Pampa, e Márcio Marques Martins, professor do mesmo programa. No artigo os autores defendem a realização de aulas que aliem teoria e prática desenvolvida no projeto “Batata Oxigenada”, realizado por meio da experimentação por investigação. Os autores concluem que o método facilita compreensão do processo de abordagem da cinética entre alunos do segundo semestre de um curso de Licenciatura em Ciências da Natureza.

Mateus José dos Santos, professor de Ciências em uma instituição de ensino particular em Ervália (MG), e Niltom Vieira Júnior, professor do Instituto Federal de Minas Gerais em Arcos, descrevem no artigo Repercussões das fake news na educação em ciências: estímulo ao pensamento crítico e reflexivo no Ensino Fundamental II uma sequência de atividades realizadas com 14 estudantes, entre 13 e 14 anos, do 8º Ano do Ensino Fundamental II (EFII). A experiência objetivou desenvolver o pensamento crítico e reflexivo por meio de leitura investigativa de fake news e permitiu aos alunos estabelecerem conexões importantes com a vida em sociedade e a desenvolver visão crítica com base nas reflexões mediadas pelo professor e pelo diálogo com os pares.

Licenciado em História pelo Centro de Ciências Humanas e da Educação (FAED/UDESC), Maicon Belusso discute em seu artigo A potencialidade dos quadrinhos no ensino de história: da teoria à prática as concepções teóricas e metodológicas o uso das revistas em quadrinhos como material didático no ensino de História. Maicon Belusso apresenta uma experiência realizada em sala de aula com os alunos do 6ª ano do Ensino Fundamental da Escola Básica Municipal Beatriz de Souza Brito, localizada no município de Florianópolis (SC), realizado durante Estágio Curricular Obrigatório II.

O estudante do Mestrado Profissional em Educação – Promestre da FAE/UFMG e professor de filosofia em instituição de ensino particular em Belo Horizonte Luiz Magno Marques de Abreu apresenta no texto Com quantos dissidentes se faz um grupelho? Experiências de teatro, filosofia e docência como memórias, reflexões e afetos interferiram e interferem cotidianamente na imanência do trabalho docente. O texto apresenta caráter biográfico, pautado numa perspectiva do presente onde o autor sugere o pensamento como experimentação ativa e criadora.

João Paulo Santos Neves, professor de Química e mestrando em Ciências da Educação na Universidad Colúmbia del Paraguay, e Maria Aparecida Monteiro da Silva, da mesma instituição, apresentam uma reflexão no artigo Cultura negra e a história identitária do Brasil sobre a permanência do racismo nas práticas cotidianas. Os autores destacam a existência dos mais variados movimentos negros que buscam afirmar a presença, a cultura, a história e a estética de maneira a resistir dia após dia à discriminação racial, social e cultural.

João Victor Oliveira, graduando em História pela UFMG, autor do artigo Memória, (auto)biografia e formação de professores, propõe a seguinte questão: Por que refletir sobre as próprias memórias de escolarização é importante para as(os) professoras(es)? Por meio de uma breve revisão bibliográfica, intenta levantar algumas considerações em torno do tema discorrendo sobre a noção de que as práticas dos sujeitos são informadas por experiências individuais, pela memória que fazem dessa condição, ou em função do trabalho com os conhecimentos pedagógicos.

Fábio Souza Lima, também professor de História e de Filosofia da Educação do Instituto de Educação Carmela Dutra em Madureira no Rio de Janeiro, apresenta no artigo A educação brasileira na CF/1988 E NA LDB/1996 uma reflexão sobre dois contextos históricos em que a educação brasileira foi pensada de forma diametralmente oposta, gerando conflitos entre diferentes setores que buscavam representação no Congresso Nacional. A proposta do autor é destacar como a educação foi mobilizada em contextos diversos e, com isso, conhecer as bases das diferenças de pensamento entre os anos 1980 e 1990, levando em consideração a atuação política dos grupos que atuavam sob tais pensamentos e os seus interesses.

O artigo Cinco universidades públicas do Rio de Janeiro sob análise do lúdico: afinal, qual é o seu lugar? de autoria de Jonathan Fernandes de Aguiar e Maria Vitória Campos Mamede Maia, ambos do Programa de Pós-graduação em Educação da UFRJ, discute o lugar do lúdico nos cursos de Pedagogia das universidades públicas do estado do Rio de Janeiro. A investigação qualitativa de caráter documental, com base no currículo do curso de Pedagogia e suas respectivas ementas das disciplinas, objetivou discutir qual o pertencimento do lúdico a partir do lugar de formação do professor.

Marcelino Mendes Curimenha, doutorando em Educação pela UNICAMP e editor da RBEB, apresenta no artigo Mapeamento discursivo do colonialismo e as condições de trabalho docente na Educação Primária em Angola o contexto de formação discursiva no período da educação colonial no território angolano e as reverberações que culminaram na escassez de professores e na necessidade de formação docente para a Educação Básica em Angola. O artigo está estruturado em uma análise documental com caráter descritivo, verificando os pressupostos definidores da história da educação colonial, seguida por rupturas a partir da década de 1970.

Por fim, a edição ainda traz o artigo de opinião Se aprender é um processo criativo, só aprende quem se expressa do articulista Tiago Tristão Artero republicado na RBEB a convite da editoria, texto que foi ao ar em 25 de novembro de 2016 no do Jornal Pensar Educação em Pauta. E, na Seção Especial Vocabulário da Educação coordenada por João Valdir, o verbete Pesquisa em Educação é apresentado pela professora da Faculdade de Educação da UFMG Ana Maria Galvão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *